Motivos para maratonar Buffy pra ontem!

Vampiros, humor, ação e muitas referências aos anos 90. Com vocês: Buffy, A Caça Vampiros.

Com as férias da faculdade e o descanso merecido do TCC, já comecei minha busca desesperada por séries que preciso maratonar antes das aulas voltarem e eu ser sugado pra dentro do projeto da minha vida de novo. Daí me lembrei que, da última vez que fiz isso, descobri uma série que me marcou pra vida e que eu apresentei pra todas as pessoas importantes da minha vida. Se nos tornarmos migos muito próximos, uma das primeiras coisas que eu vou fazer é tentar te obrigar a ver te apresentar Buffy. Ou rever, caso você já tenha visto (‘veja Buffy’ é o meu equivalente ao ‘eu te amo‘)

Eu forço as pessoas (a verem Buffy)

Mas afinal, do que fala a série? Buffy Summers tem 16 anos e vem de uma linhagem de mulheres que caçam vampiros. Funciona basicamente assim: quando uma caçadora morre, a outra automaticamente é ativada, basicamente não tendo muita escolha a não ser abraçar sua profissão.

Se acontecer o apocalipse, me manda um beep.

Mesmo a contragosto, ela resolve aceitar seu destino. O que a diferencia das outras caçadoras? Ela não aceita levar a vida solitária a qual está destinada e faz amizade com um grupo de pessoas que acabam se tornando sua gangue, auxiliando nas pesquisas e nas noites de patrulha.

Sccoby Gang: um squad que já era legal muito antes da Swift popularizar.

E o que era pra ser uma temporada única de 12 episódios (que são bem sofridos, pra falar a real) se tornou uma das séries de maior sucesso dos anos 90/00. Não foi o bastante pra te convencer de ver? Então reuni alguns motivos pra você parar o que está fazendo nesse exato momento e começar a ver essa série agora! Mas te aviso de antemão: a primeira temporada talvez seja chatinha… mas totalmente vale o esforço. Sério.

A protagonista é uma das personagens femininas mais fortes que você irá conhecer.
A verdade seja dita: nos anos 90 a coisa mais difícil do universo era ver uma mulher badass como protagonista de uma serie. De uma série adolescente então, impossível. E de uma série adolescente e sobrenatural? Pff. Buffy apresentou uma série onde uma garota de 16 anos salvava o dia. Em todos os episódios.

fun fact: A Sarah Michelle Gellar se tornou faixa preta por conta da série!

Girl(s) Power!
E não é só a protagonista que é um strong female character não, viu? Durante toda a série, BtVS apresenta uma gama enorme de mulheres fortes que ofuscam os personagens masculinos. Vilãs fodas? tem sim. Demônios do sexo feminino fortes? check. Bruxas fodas? double check. High school queen bees fodas? Mas é claro!

Cordelia Chase já mostrava pra gente o que era ser queen bee antes da Regina George.

O crescimento dos personagens
Foram 7 anos de TV(que continua no HQ), onde os personagens conseguiram fazer a transição da adolescência pra fase adulta assim como a série – que no início tinha uma pegada teen e depois passou a retratar a vida adulta sem se tornar caricato.

A série vai ganhando um tom mais sério no decorrer das temporadas, e as situações retratadas com o passar do tempo segue a idade dos personagens. Buffy, Willow, Xander e até Giles ganham histórias mais sombrias, e você consegue ver o crescimento deles. Sabe aquela série em que você sente que os personagem travam e não possuem mais nenhum desenvolvimento, vivendo uma eterna adolescência? Você não vai ver isso aqui.

Tem pelo menos 4 séries atuais que sofrem desse problema, mas não quero citar nomes.

Os relacionamentos
É humanamente impossível não se apaixonar pelos casais da série (e esse é o meu lado puramente shipper falando). Assim como os personagens individualmente, os romances são bem trabalhados e amarrados de modo fofo, e a química entre os atores é inegável. Ah, e você finalmente vai ver que romances entre humanos e criaturas místicas pode funcionar se escrito do modo certo.

Angel e Buffy: uma das histórias de amor mais lindas de todos os tempos <3

Mas, acima de uma série de amor, BtVS foi uma série sobre uma garota e sua turma que combatem o mal. O relacionamento estabelecido por toda a Scooby Gang é uma coisa linda de ver, principalmente por se tratarem de personagens tão diferentes e que possuem interesses tão distintos.

E no fim de cada episódio, você vai querer ter amigos como Xander, Willow e Giles por perto.

A mitologia
Por se tratar de uma série sobrenatural focada em uma caça-vampiros, Buffy mexe bastante com a mitologia vampírica. Joss Whedon optou por não mexer muito no que já se conhece sobre os seres noturnos, mas inseriu algumas camadas extras em seus vampiros. Alias, não só neles, mas em toda a gama de criaturas que apareceram durante a série.

Além disso, os paralelos que ele criou entre a vida adulta e o sobrenatural foram perfeitos. Toda a analogia entre o amadurecimento e as situações que os personagens passam envolvendo os demônios foram encaixadas de modo que você consiga se relacionar com a série, mesmo que você não viva na boca do inferno e sua cidade seja infestado de monstros.

Tem bruxa, tem demônio, tem lobisomem… Tem de tudo, do jeito que você conhece. E tem essas desgraças aqui que vão te deixar com probleminhas pra dormir também.

O humor e as referências pop
A série consegue não apenas ser ótima no sobrenatural e na ação: Buffy é composta por um humor ácido e inteligente, que faz uma série gostosa de acompanhar. Seja com as piadas autodepreciativas dos personagens, as punchlines de Buffy durante as lutas ou as constantes (e adoráveis) referências pop dos anos 90, é impossível não rir com o decorrer dos episódios.

Referência à cultura pop, desculpa!

Esses são os motivos que fazem de Buffy uma das referências em séries – e essas são algumas razões pela qual eu acho que é uma boa pedida para as férias de julho. Escrever esse post me bateu aquela nostagia e uma super vontade de ver a série de novo… Pela 4ª vez.